Offshore — porque você deveria ter uma conta fora do país


Photo by John McArthur on Unsplash

Quando eu comecei a investir em renda variável, a cotação do dólar não era tão importante pra mim, principalmente pela falta de conhecimento.


O dólar vinha relativamente estável nos anos anteriores, o Brasil vinha sendo uma referência de economia emergente, e eu não enxergava o quanto o dólar influenciava na vida da população.


Hoje eu entendo. O dólar alto impacta o preço de praticamente tudo pro consumidor final. Combustíveis? O preço é em dólar. Eletrônicos? Preço em dólar. Arroz e outros alimentos? Preço em dólar.


O dinheiro pode perder valor muito rápido

Eu comecei a investir, e consequentemente prestar mais atenção aos dados econômicos, em 2014. De 2006 até 2014, o dólar seguiu relativamente estável.


Pra quem só olhava o dólar na hora de viajar ou comprar algo importado, a cotação a R$1,80 ou a R$2,20 é quase a mesma coisa. Em 2014, o dólar fechou a R$2,69. Em 2020, o dólar fechou em R$5,29.


Em 2014, R$30 mil reais eram equivalentes a $11.152,00 dólares. Em 2020, os mesmos R$30 mil reais foram equivalentes a $5.780,00 dólares.


Se você ficou os últimos seis juntando dinheiro para um intercâmbio, guardando reais na sua poupança, com certeza ficou mais longe de alcançar sua meta, mesmo tendo guardado dinheiro.


O dinheiro pode perder valor muito rápido, principalmente quando se está em um país emergente, com uma moeda nacional recente, que ainda não se provou no tempo.


Para comparação, tanto o dólar quanto a libra esterlina estão em circulação há mais de cem anos. O real brasileiro ainda não completou trinta anos de existência, e já perdeu mais de 100% do seu valor frente ao dólar.


Outros países estão em situações bem piores, é verdade. Com $1 dólar, era possível comprar 3 pesos argentinos em 2006. Em 2020, era possível comprar 85 pesos argentinos com o mesmo $1 dólar.


A Venezuela talvez seja o exemplo recente mais famoso. Com $1 dólar é possível comprar mais de um milhão de bolívares (a moeda do país). Nesta reportagem do El País, o drama venezuelano é retratado por um professor universitário.


Como ele ainda recebe o salário em bolívares, a cada ano ele está mais pobre. Seu salário passou de $62 dólares mensais em 2017 para menos de $10 dólares mensais em 2020.

Você pode ficar acreditando que o Brasil nunca vai chegar nessa situação — ou pode começar a se preparar pra caso isso aconteça.


Contas offshore em dólar, por exemplo, estão mais protegidas deste processo. Você passa a ter, literalmente, dólares na sua conta-corrente.


O risco político na América Latina é muito alto

A América Latina é famosa pela sua instabilidade política. Apesar de ter melhorado nos últimos anos, esse risco continua presente no discurso e nas ações de alguns governantes — e isso inclui o Brasil.


Uma ferida recente na população brasileira foi o confisco da poupança no governo Collor. Para os mais velhos, foram momentos de terror. Para os mais jovens, parece algo impossível de acontecer nos dias de hoje.


A verdade é que o risco existe. Basta uma canetada do presidente para bloquear a conta de milhões de brasileiros. Se todo o seu dinheiro está no Brasil, significa que todo o seu dinheiro estará bloqueado.


Outra medida que o governo pode tomar é colocar limites na quantidade de dólares que cada um pode comprar. Novamente, a Argentina é um ótimo exemplo.


Como a desvalorização do peso argentino é muito rápida, os argentinos passaram a guardar dólares para evitar a perda de valor das suas poupanças. Inclusive, é muito comum a moeda estadunidense ser usada nas transações do dia a dia.


Como medida para tentar diminuir a inflação, o ex-presidente Mauricio Macri colocou um limite de compra por cada cidadão argentino em 2019: $200 dólares mensais.


No Brasil, com o endividamento do governo por causa da pandemia, a disparada do dólar em relação ao real, e a inflação nacional, este é um risco que precisa estar no seu radar.


Com uma conta offshore é possível driblar estes riscos, se você for prevenido. Não adianta querer abrir a conta e colocar dólares lá apenas quando o governo anunciar uma medida como essa. Aí será tarde demais.


Entretanto, colocar um pouco de dinheiro todo mês em uma conta que está em outro país, que seja politicamente mais estável, diminui bastante o risco de uma canetada acabar com as economias da sua vida.


Viajar fica muito mais fácil e mais barato

Já reparou que quando você usa o seu cartão de crédito no exterior, você paga 6,38% a mais em todas as suas compras por causa do IOF, e o valor do dólar vem sempre mais alto que o dólar comercial?


Com uma conta offshore, você consegue diminuir o custo do IOF de 6,38 para 1,1%. Além disso, o valor que você vai pagar pelo dólar é muito mais próximo do câmbio comercial.


Outro fator importante é que dependendo da conta offshore que você tiver, pode ser que consiga sacar dinheiro em qualquer lugar do mundo sem pagar nada a mais por isso, ou pagar muito menos do que pagaria no cartão de crédito.


Comece antes que seja tarde

Viver em um país emergente, com risco político e econômico alto, principalmente depois de uma pandemia, já deveria ser suficiente para você começar a pensar em proteger seu patrimônio.


As pessoas só se dão conta destes riscos quando eles já estão em curso. Ninguém na Venezuela acreditava que ia chegar na situação que chegou. Nenhum argentino acreditava que a inflação seria tão dura e prolongada.


Assim como ninguém no Brasil acreditava que o dólar chegaria a R$5 reais. Quando você perceber, pode ser tarde demais. A melhor hora para começar a se preparar é sempre o agora.


18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Blog de Viagem por Priscila Muniz e Arthur De Lio

  • Ícone preto do Facebook
  • Ícone preto do Instagram